sábado, 14 de abril de 2012

e eu não sei porquê

E eu gosto de você, e do sorriso de não envergonhado, e dos calos da sua mão, e da calça rasgada, e do casaco sujo, e do cheiro de suor, e do cabelo bagunçado, e da forma que me puxa pra si, e da maneira que se impõe sobre todos, e da mania de resolver tudo sozinho, e do aconchego do teu abraço, e do olhar de quem vai dar risada, e do jeito que mexe no meu cabelo, e do jeito que você fala, e da bagunça que você faz, e dos teus pés encostados no meu, e da arrogância, e do seu ego, e do teu gosto pra comidas estranhas, e da implicância com chocolates, e do jeito que se adona da minha casa, e do modo que acha que manda, e de tudo que te rodeia, até do ar que você respira e depois expira sob minha pele.